Guardiões da Galáxia Vol 2 | Tão bom que vi duas vezes - SEM SPOILERS


Sou do tipo de pessoa que, quando gosta muito de um filme, assiste a ele mais de uma vez. Quando gosto demais de um filme, eu compro ele pra poder assistir sempre que der vontade, pro resto da vida. O primeiro Guardiões da Galáxia surtiu esse efeito sobre mim e comprei o filme, mas assisti a ele no cinema apenas uma vez. Já o Vol 2 eu achei tão bom, mas tão bom que assisti duas vezes no cinema e ainda por cima, dublado!


Guardiões da Galáxia Vol 2 é a obra prima dos Estúdios Marvel. Não tenho medo nenhum de dizer isso. Eu assisti a todos os filmes do MCU (Marvel Cinematic Universe), desde Homem de Ferro, passando pelos Thor, Capitão América e Os Vingadores. Assisti inclusive aos Marvels feitos por outros estúdios. Não resta dúvida de que GGV2 é a combinação perfeita de todos os elementos que fizeram dos estúdios Marvel um modelo a ser seguido quando o assunto é filmes de super-heróis.

A primeira cena de ação, por si só, já mostra qual será o tom do resto do filme. Com muito bom humor, o diretor e roteirista James Gunn foge completamente do convencional ao não mostrar pro espectador aquilo que é esperado. A platéia em peso caiu na gargalhada. Mas GGV2 não é só isso. GGV2 é também um meio para um fim. É uma preparação para o acontecimento cinematográfico do século 21: As Guerras Infinitas.

Por isso mesmo nos são introduzidos novos personagens o longo da história e de uma forma muito bem amarrada com esta história, sem parecer algo forçado ou feito apenas para dar continuidade ao plano maior, como foi o caso do primeiro filme do Thor, uma preparação para Os Vingadores. Gostei muito de ver como evoluiu a relação entre cada um dos personagens, de forma que as características individuais, que conhecemos no primeiro filme, ficassem mais evidentes agora, fazendo parecer que já os conhecíamos de longa data e sabíamos que agiriam dessa ou daquela forma.
Foi muito interessante a maneira como Gunn conseguiu colocar Ego, que nos quadrinhos é um planeta (e ponto), no nosso plano, fazendo com que ele pudesse realmente interagir com os outros personagens. 

A quantidade de piadas, de cenas de ação, de sarcasmo, de humor, a trilha sonora, a fotografia, os efeitos primorosos, as cores, tudo estava perfeito, incluindo a digitalização do Kurt Russell para parecer mais novo. Outra coisa me chamou bastante atenção nesse filme: a dublagem.

Fazia muito tempo que eu não assistia a um filme desses dublado e para minha surpresa a qualidade da tradução está excepcional. Percebi que há atualmente um trabalho de tropicalização do roteiro, no sentido de deixar os diálogos mais fluidos e parecidos com a nossa realidade, do que apenas traduzir as palavras. E assistir ao filme dublado foi muito melhor, pois me permitiu ver todas as cenas completamente. Gostei tanto que assisti dublado as duas vezes. Além do que, meu inglês não é tão bom assim que eu possa assistir a um filme sem ler nenhuma legenda.

Há também as cenas pós-créditos, que na verdade são entre-créditos. São cinco no total. Se vale a pena esperar por todas? Sempre vale. Até pra poder​ dizer pros amigos que viu. Mas é necessário ficar para vê-las? Não. Já é possível encontrar quais são elas na internet, dá um google.

Abaixo, o trailer que não mostra nada da maravilha que é esse filme.


Aproveite para me seguir nas redes sociais:
  

Share on Google Plus