Sucesso de ‘Power Rangers’ foi comprometido pela classificação indicativa, conclui diretor



Para Dean Israelite, diretor do mais recente filme dos Power Rangers, o longa foi impedido de alcançar todo o seu potencial de bilheteria devido às restrições da classificação indicativa. “Isso não é um simples achismo meu; pesquisas de mercado foram feitas e constaram que se o filme fosse PG* ele teria alcançado um público maior. Mesmo a produção sendo PG-13**, muitos pais se sentiram inseguros em levar seus filhos ao cinema”, relata Dean, mesmo surpreso com o fato dos testes preliminares terem apontado outra situação: “Fizemos vários testes de exibição e nas cenas mais duras, eu pensei que uma criança de sete anos se assustaria, mas não de forma negativa. Eles tinham medo da Rita Repulsa, mas gostavam da sensação que lhes trazia. Ao final da exibição, os pequenos saíram animados, satisfeitos com o filme. Nós realmente desenhamos essa linha e foi desapontante ver que a produção não alcançou todo o seu potencial. Espero que com o lançamento de ‘Power Rangers’ nos formatos Blu-ray, DVD e On Demand, os pais se sintam mais encorajados para deixar seus filhos assistirem ao filme”.

Apesar da fraca bilheteria nos cinemas, a sequência de Power Rangers continua confirmada. Após o lançamento do filme, houve um maior interesse pelos brinquedos que carregam o título e pela série de TV.

* Fica entre o nosso “Livre” e “Para maiores de 12 anos”. Indica ao pais que tudo bem a criança assistir, porém há cenas de ação com alguma violência. Zootopia e Divertida Mente entraram nessa classificação.

** Fica entre o nosso "Para maiores de 12 anos" e "Para maiores de 14 anos". Possui cenas de violência mais acentuada, porém, sem sangue; cenas de sexo também não existem. Filmes PG-13 são geralmente os de heróis, como os da Marvel, DC e Star Wars.
Juliana Verri
Juliana Verri

INSTAGRAM