Review I Origens Secretas - Os Maiores Vilões de Gotham, por Neil Gaiman


"Sem um Batman, haveria um Duas-Caras, um Coringa, um Pinguin?"


Seja bem-vindo fãs de HQs, para meu primeiro review de quadrinhos na PREMIERELINE, de  uma clássica edição criada por Neil Gaiman, o "Stephen King dos quadrinhos" um dos criadores mais lendários da Nona Arte, famoso por roteiros de SANDMAN, e das obras literárias espetaculares como Coraline, The Graveyard Book, Stardust e da genial American Gods (que hoje virou série na Amazon Prime). 


Nesta review, veremos Origens Secretas: Os Maiores Vilões de Gotham,  parte desta edição (Charada e Hera Venenosa) de luxo capa dura está no encadernado lançado em 2013: Batman: O Que Aconteceu Ao Cavaleiro das Trevas.


Agradecimento especial á PANINI, que nós enviou este belíssimo encadernado de luxo, que tem seu nome original lançado nos EUA: The DC Universe by Neil Gaiman.



NEIL GAIMAN

Entretanto, nesta edição a forma cronológica que fora apresentada fez muito mais sentido para o leitor de primeira viagem, dando uma visão diferenciada das histórias iniciais de cada vilão.

Tais histórias, vale ressaltar, que já foram publicadas pela primeira vez no Brasil no início dos anos 90 pela Abril, através do Superalmanaque DC: Origens Secretas, no famoso formatinho.

Na qual focava nas "origens" dos vilões como Pinguin, Charada, Duas Caras, Hera Venenosa, dando mais enfase em suas histórias de como tudo começou, e como possíveis traumas da infância, como bullyng, abandono e a violência afetaram de forma abrupta suas personalidades  transformando-os nos maiores vilões do homem morcego em Gotham City.


Versão original lançada nos EUA pela  DC em 1989


Pecados Originais (Original Sins, com roteiro de Neil Gaiman ), funciona como base para outras três curtas histórias apresentadas para revelar as origens dos vilões e que serão analisadas cronologicamente mais adiante. 





No início de Pecados Originais, Batman visita o jornalista Jone e o persuadi a desistir de seguir adiante com um documentário em um canal famoso, onde entrevistará os piores vilões de Gotham City.


Dando um enfoque aos bandidos como vitimas da sociedade opressora e de Batman como um psicopata  e o verdadeiro responsável por eles tocarem o terror na cidade...aonde será que eu vejo isso constantemente?





O destaque desta edição vai para o excelente roteiro, profundo mas certeiro de Mark Verheiden, com desenhos competentes de Pat Broderick, sem título original (Untitled) mas intitulada em português: Algumas Pessoas Gostam de Ir À Praia, pelo editor.

Onde o repórter Steve Jones entrevista desta vez, a Srta. Grace Dent esposa de Harvey Dent, e mais conhecido como o Duas-Caras


Dando uma bela homenagem ao Harvey Dent, utilizando bem o flashback pela perspectiva de Duas-Caras.

GILDA (GRACE) DENT, escultora e esposa de Harvey Dent

A ex-esposa descreve a história de como ela foi uma vez atacada em sua própria casa por um ex presidiário, Dalton Perry, que acabou indo parar no xadrez por uma brecha na lei e méritos do procurador da justiça na época muito bem renomado e bem sucedido.


Tido como o melhor promotor de justiça de Gotham City, Harvey Dent era também um grande aliado de Batman na luta contra o crime organizado.



A Srta. Dent continuou a morar na mesma casa em que ela se mudou junto de Harvey quando ambos se casaram, mesmo depois que ele se transformou no vilão Duas-Caras e a deixou.


A história descreve a decadência do Duas-Caras e que já era casado com Grace bem antes que sua vilania viesse a tona, de como o promotor público que combatia o crime de forma implacável e da maneira mais correta (sobre as leis) de Gotham City vai do céu ao inferno:




 "As pessoas acham que meu marido se tornou o 'Duas-Caras' quando um bandido, conhecido como o mafioso Vicent ''BOSS' Moroni ateou ácido em seu rosto."


Mas conta também como o presidiário Perry permaneceu por oito longos anos na prisão, e por pura determinação e rancor, fazia questão (e até matava companheiros de celas) de passar todo o seu tempo na solitária, planejando como faria sua vingança após sair da prisão.


"Talvez as queimaduras tenham desencadeado a transformação em si...Mas as sementes da desintegração tinham sido plantadas muito antes."

Dent sofre do conflito de laços do seu passado  que ele é incapaz de romper ou reconstruir, ficando assim preso entre suas duas vidas. Já pelo ponto de vista da Grace, a esperança é o que a mantém confiante, de que o monstro que é o atual Duas-Caras voltará a ser o seu Harvey Dent por quem se apaixonou e ama até hoje.

Por um lado a esperança, e do outro o desespero, a partir desta dicotomia a história transforma o protagonista no lema que o Duas-Caras teem de enfrentar quando confrontado com o homem que ele pois na cadeia.

Quando Perry consegui finalmente sair da prisão, ele imediatamente parte em busca de materializar sua vingança. E parte para casa de Grace, e a faz de refém facilmente. Duas-Caras já ciente da situação aguardava pacientemente fora da casa, para interferia no momento certo.

Perry quando estava preste a iniciar um incedio na casa, Harvey o surpreendi e salva Grace. Quando o Duas-Caras parte para agressão e para dar o golpe fatal, algo extraordinário acontece. Pois sua ex-esposa o implora a parar: e ele para. Mesmo sem a moeda, ele a obedece, demonstrando que ainda a ama mas não é o suficiente para o fazer o seu monstro interno adormecer.

Porém, Gilda permanece na esperança de que um dia seu Harvey Dent retornará para os seus braços.


A Bicada Mortal (roteiro de Alan Grant e arte de Sam Kieth) conta a história de origem do Pinguim, da perspectiva de Oswald Cobblepot enquanto realiza uma tortura em Sharkey, seu desafeto na escola na época de infância.


Grant é capaz de repaginar um personagem de muitas maneiras destacado pelo seu modo hilário e caricato, tornando-se em um estímulo a ser reverenciado e temido.


A história é trilhada de forma igual ora pelo tocante, ora pelo chocante, o roteiro cativa e faz com que o leitor se simpatize e adquira interesse pelo protagonista ao mesmo tempo em que o assusta com a brutalidade e violência do Pinguim.


A arte de Keith é crucial, ao dar um ar sombrio e de tom pesado com sua forma escura e de traços mais "grosseiros",  e caricato englobando a história como um todo.




"Quando" é Uma Porta (Neil Gaiman no roteiro, e Bernie Mireault nos desenhos), desta vez o entrevistado é o Charada, deixando sempre enigmas com perguntas misteriosas. 


Edward começa a divagar em sua charadas e seu modus operandi, nenhuma resposta direta é dada pelo vilão, que em sequência levanta mais perguntas. Assim, vemos uma reflexão realizada por um já envelhecido e aposentado E. Nigma na qual ele faz analogia entre as diferenças do seu tempo e o agora.

Descendente de uma era inocente, provavelmente a do seriado da década de 60, Edward demonstra espanto pela violência e seriedade das coisas do atual momento de Gotham. Deixando assim, o vilão com saudades dos tempos mais simples onde o mundo dos quadrinhos era marcado por uma cor e ingenuidade que se perderam completamente com o tempo.

Outra cativante trama de Neil Gaiman, que indiretamente demonstra ser uma carta de amor a um passado de ouro, que nunca mais vai voltar mesmo que como é revelado na parte final, ideias e coisas que podem ser reaproveitadas por uma nova geração.

Algumas Pessoas Gostam de Ir À Praia (roteiro de Mark Verheiden e desenhos de Pat Broderick), é o tema central do review e é descrita mais abaixo.




Pavana (Neil Gaiman escreve o roteiro e Mark Buckingham desenha) publicada originalmente em 1989, conta em 15 páginas a origem da Hera Venenosa.


Nesta história a arte feita por Mark, é bem semelhante ao seu trabalho já conhecido em Sandman, como em The Time of Your Life, The High Cost of Living e The Song of Orpheus. Neil e Buckingham também trabalham juntos em Miracleman, da Marvel e Eclipse Comics.

Na trama o inspetor Stuart é um novato na prisão de Gotham e tem a enorme missão de avaliá-la para  decidir a soltura da encarcerada Pamela Lillian Isley.  Com o seu letal feromônio, a sensual vilã por pouco não o hipnotiza com sua beleza e seu carisma.

De forma lenta o toque venenoso de Hera toma os pensamentos um a um de Stuart. Assim, é impossível retirar Pamela de sua mente. A cada entrevista, ele se deixa dominar pela atraente prisioneira. 

Neil Gaiman demonstra mais uma vez sua genialidade, com uma narração lenta e prosaica vai gradativamente construindo o passado da vilã, e assim também vai se abrindo ao inspetor.

Porém, o feitiço se vira contra a feiticeira e Lillian comete erros, ao se vitimizar e clamar por socorro...e de forma surpreendente o inspetor resiste bravamente aos charmes dela. Por um triz, Hera-Venenosa não foi novamente solta as ruas de Gotham, para tocar o terror com suas plantas venenosas.

Para Stuart, traços e imagens da sensualidade da gata estará registradas para sempre em sua mente. já Gotham ficará segura por enquanto, pois Hera foi mandada pelo inspetor ao Asilo Arkham.

Esta narrativa densa e atrativa, provoca hipnose no leitor pelo incrível charme da moça, que o perturba, idêntico a um barulho ensurdecedor da qual não existe escapatória. Outra excelente história,



Um Mundo em Preto e Branco de edição nº2 (arte de Simon Bisley e roteiros de Nel Gaiman) escrita em 1996 a série (de quatro edições) foi inspirada pela revista Creepy - Contos Clássicos de Terror, encabeçado por Mark Chiarello depois de dialogar com vários artistas do ramo, teve a brilhante ideia de fazer um projeto similar para o Batman focado no terror, e contaria com total liberdade criativa e nomes de destaques no mundo das hqs como atores ocidentais e até orientais, como Katsuhiro Otomo criador do famoso manga Akira.


Nesta edição especifica, Gaiman produz um roteiro completamente raro nas hqs, Batman Black and White tem algo bem semelhante ao apronte de Deadpool, quando Neil quebra a quarta parede ao apresentar Batman e Coringa nos bastidores da revista do homem morcego, como atores.

Ambos aguardam a vez de entrarem em cena, e trocam interesses mútuos como dois bons amigos e tem pleno conhecimento, nesta curta historinha, que são personagens imaginários de quadrinhos. Algo bem cômico, é quando o Coringa se lamenta pelos seus pais não aprovarem a profissão escolhida de ser um astro das hqs.

O traço surrealista e arrojado de Simon Bisley da um tom mais dinâmico para as páginas ilustradas pelo artista.


Por intermédio da sátira e de modo a surpreender o leitor, Neil Gaiman revela um Batman polido e bem simpático quando cumprimenta a secretária do estúdio e conversam como duas pessoas que trabalham na mesma empresa, algo praticamente surreal para a maioria das histórias do Cruzado Encapuzado, já que Bruce Wayne quando vestido de Batman, demonstra uma personalidade séria, fria e calculista.

Herói e vilão finalmente entram em cena, mesmo que por pouquíssimo tempo, nos coroando com grandes cenas ação e pancadarias pra leitor nenhum botar defeito. E de forma surpreendente o Lobo, finaliza a cena "corta!" como o diretor da produção, o chefe O'Hara! Leitores de primeira viagem ou veteranos irão adorar mais uma história memorável do Batman.

Então, Coringa e Batman saem do estúdio e decidem comer alguma coisa, onde irão beber e bater um papo descontraído falando sobre assuntos daquela época.

RESUMO GERAL

Essa edição especial traz algumas excelentes histórias de origens com roteiros bem maduros e cativantes pelo mestre Neil Gaiman,  é uma leitura divertida e agradável, e bem equilibrada. Não considero essencial ou indispensável, mas um complemento para os mais curiosos. Origens Secretas é um produto para os apreciadores da arte do mestre de Sandman, e de sua originalidade a frente destas histórias do homem morcego.
Marcelo Pazetto
Marcelo Pazetto

INSTAGRAM