The Good Doctor | Mais uma série de médicos? #Dica3




Se você acompanhou a jornada de Norman em Bates Motel, talvez tenha uma dificuldade inicial em The Good Doctor para separar os personagens do ator. Mas passados os primeiros 20 minutos, Freddie Highmore prova que não só pode fazer outro papel de destaque mas que também é bom nisso.


Particularmente, não costumo mais investir meu tempo em séries médicas. Até então, todas lançadas ou eram genéricas demais ou apenas não eram atraentes o suficiente. Não é a toa que poucas sobrevivem e acabam sendo canceladas. Atualmente apenas Greys Anatomy e Chicago Med se mantém firmes. E existe um porque por trás disso. Ambas tem sua identidade. Em um gênero que já teve de E.R a House MD. Para competir e fazer jus a essas séries é preciso ter coragem e um bom diferencial.


E por que não um médico autista? 

Não vou afirmar que o sucesso de The Good Doctor vem dessa particularidade do protagonista, até por que, apesar disso, a série vai além e explora todo seu elenco.


Desde indagações pessoais a dilemas médicos. Todos os personagens conseguem sem esforço ganhar nossa atenção seja para o bem ou para o mal. É impossível não gostar de Shaun (Freddie). É apenas impossível. Não há qualquer coisa que possa ser dita contra sua atuação. É envolvente e convence sem apelar ou exagerar na condição de seu personagem. Suas limitações são mostradas com sensibilidade e inspira que mesmo com limitações todos são capazes de grandes coisas.



O único problema na série até então (6 ep. lançados), é a falta de aprofundamento na vida dos pacientes. Ainda é cedo para falar e tenho esperança que eles façam algum episódio em que explorem a história médica do paciente. Afinal, em uma série do tipo não é somente o sucesso do médico que importa, mas também do paciente. Precisamos nos importar com ele não só para trazer mais impacto a narrativa mas também para trazer humanidade aos seus fracassos. 


Não é a toa que The Good Doctor está disparando na audiência (chegando aos 18 milhões de espectadores). Se se manter nesse nível tem tudo para uma ter uma vida longa.


Ao começar é impossível parar de assistir. O único pensamento que vai ficar na sua cabeça é "Por que não vi isso antes?"


 
Juliana Xavier
Juliana Xavier

INSTAGRAM