Review | Monster Hunter: World - Um dia da caça, outro do caçador... - PREMIERE LINE

NEWS

Post Bottom Ad

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Review | Monster Hunter: World - Um dia da caça, outro do caçador...


A franquia Monster Hunter é extremamente popular no Japão, porém, dessa vez a Capcom decidiu mudar este paradigma com Monster Hunter: World, que além de seguir padrões ocidentalizados na intenção de conseguir um público maior, é o primeiro game da série de caçadas contra monstros para os consoles de mesa em anos de existência. E o resultado de tudo isso é ótimo.


O início do game, assim como quase todos os novos título de ação e alguns elementos de RPG, nos apresenta uma tela de customização bem detalhada do nosso personagem e também de nosso Amigato, um companheiro que ajuda na batalha, seja golpeando os inimigos ou coletando novos suprimentos.



Durante minhas primeiras horas de gameplay o game estava confuso, e eu não conseguia absorver a quantidade informação que estava na tela, até que as primeiras caçadas vieram e minha opinião mudou completamente. Toda a emoção de derrotar seu primeiro monstro e aquele gostinho de vitória é o pontapé inicial para começar a verdadeira extinção dos dinossauros, mas sem meteoro dessa vez.

A campanha de MHW tem uma premissa simples. Devemos localizar e capturar um Dragão Ancião conhecido como Zorah Magdaros que parece um Godzilla com um vulcão nas costas. Para isso, teremos de ir ao "Novo Mundo". Uma ilha ao melhor estilo de "O Mundo Perdido" de Jurassic Park 2, onde ficaremos durante todo o game.



Logo quando chegamos ao nosso destino é extremamente perceptível o trabalho que a Capcom teve em criar aquele mundo, que é muito rico em detalhes, tendo uma ambientação belíssima. A flora, os biomas e ecossistemas são totalmente pré-definidos para cada espécie de monstro, que possuem a natureza a seu favor.

Por se tratar de uma franquia moldada em portáteis, o foco da série nunca foi ter gráficos exuberantes, mas World leva isso para outro patamar, com personagens e monstros bem definidos, detalhados e variados. Vale lembrar que isso não significa que existam texturas, sombras ou uma iluminação fotorrealista, mas é um ponto que merece ser destacado.

World preza por seu gameplay, que é sólido e consistente, e mais simples do que aparenta ser. As comparações com Dark Souls são naturais, mas eu acredito que o jogo se assemelhe a algo mais leve como The Witcher. Entretanto, Monster Hunter é famoso pelas armas grandes, bem parecido com a franquia da From Software.



Ao contrário do que eu pensava, MHW não possui uma árvore de habilidades, onde poderíamos aprimorar a barra de vida, estamina, etc. No lugar disso existem alimentos e outros itens como a ração, que aumenta seu vigor temporariamente durante uma batalha.

Antes de cada missão, temos um tempo indefinido para nos prepararmos, e é crucial você sempre encher sua bolsa com poções, antídotos, barris explosivos e outras armadilhas para capturar os monstros. Em especial, é recomendado ir à cantina e comprar alguns alimentos, servidos como um verdadeiro restaurante, e que dependendo do prato aumenta grande parte de seus atributos para a batalha.



E são esses confrontos contra as criaturas que tornam Monster Hunter: World um jogo especial, desde a preparação até o momento do último golpe. Essas caçadas são simples de certo modo. Devemos procurar por pistas espalhadas pela mapa, como rastros, pegadas e secreções até encontrarmos os monstros, que são muito variados e diferentes.

Essas batalhas podem ter um grau de dificuldade acima da média do que estamos acostumados a ver, porém não se espante, abater os inimigos não é uma tarefa impossível. É preciso criar uma estratégia, decorar os padrões de ataque e movimentação dos monstros e só assim podemos vence-los. Também é importante usar o cenário a nosso favor, e os monstros também farão isso, afinal somos apenas intrusos em seu habitat. 



A cada nova missão é estipulado um prazo limite de 50 minutos para completa-la, e pode parecer muito tempo, mas não se engane, os monstros são espertos e sempre que você dá uma boa quantidade de dano ele muda de lugar, e as vezes entra no território de outros monstros, sendo a chance de presenciar um duelo de gigantes entre espécies diferentes e continuar a caçada. 

Essas missões ficam ainda melhores se você jogar com os amigos, já que o game possibilita um co-op de até 4 jogadores em uma sessão, o que também facilita seu trabalho. Infelizmente muitos jogadores estão reclamando do processo de matchmaking do game, tanto na versão de Xone quanto na de PS4.

Após derrotar seu oponente você poderá coletar materiais como ossos, escamas, garras, etc para criar armaduras e armas. Para isso, nos é fornecida uma árvore com todas as opções de criação e melhorias que podemos realizar. Tudo isso é feito no ferreiro localizado em Astera, a base principal do game. Podemos não somente equipar equipamentos para nosso personagem, mas como também para o Amigato, que é muito importante na batalha distraindo o inimigo para que possamos golpear-lo.



Temos 14 tipos de armas divididos em categorias, desde o famoso Espadão - que é a arma que mais causa dano no jogo, mas também é a mais pesada, o que nos faz abrir mão da agilidade -  até as Lâminas Duplas, duas espadas semelhantes as armas usadas por Kratos no God of War original que realizam ataques muito rápidos e precisos, porém sem causar muito dano.

Sem sombra de dúvidas a trilha sonora não é o forte de Monster Hunter: World. Eu esperava algo com o teor épico e grandiloquente comum em games do mesmo estilo, que seria uma inspiração a mais para enfrentar os monstros, porém isso ficou só na minha expectativa.

Conclusão

Monster Hunter: World é um game sobre aprendizagem. Sobre como devemos escolher a melhor estratégia, os melhores equipamentos e bolar o melhor plano para enfrentarmos os desafiadores monstros presentes nessa aventura em um mundo repleto de perigos. Aos poucos a Capcom soube trabalhar e construir um game muito divertido e prazeroso de se jogar, principalmente com os amigos, e sem muito esforço podemos dizer que é um grande acerto para 2018 e um título excelente, ganhando nota 9,0 em nosso review.



Monster Hunter: World está disponível para Xbox One e PlayStation 4. A versão de PC chega no segundo semestre do ano. Esse review foi feito por uma copia de Xone cedida pela Capcom.










Post Top Ad

Pages