Crítica | Pantera Negra - Parece que o jogo mudou não é mesmo? - PREMIERE LINE

NEWS

Home Top Ad

Post Top Ad

17 de fevereiro de 2018

Crítica | Pantera Negra - Parece que o jogo mudou não é mesmo?


'Pantera Negra' o primeiro filme com um herói negro como centro da história  já  está  entre nós e além disso, Pantera Negra não tem apenas um personagem negro, mas com exceção de dois personagens, todos os personagens são negros, contando com um elenco incrível  como: Chadwick Boseman, J. B. Jordan, Lupita, Danai Gurira e até uma surpresa: o Daniel Kaluuya que não foi muito divulgado para o filme mais surpreendeu em cena.


NARRATIVA

A narrativa é de certa forma simples, apesar de ser extremamente fora dos "padrões Marvel", neste filme  diferente dos outro vemos discursos politicos fortíssimos, mas sem tomar o brilho do enredo, temos também algo que até  então no universo cinematográfico da Marvel era bem disfarçado ou ocultado que era a morte de personagens e neste onde os dois vilões do filme morrem, você  de fato percebe que o filme tem um peso maior além dos demais. Além de que ele ainda apresenta um conceito de vilão que está  sendo implantado no MCU desde 'Homem-Aranha: De Volta ao Lar', onde o vilão tem suas próprias  aspirações e não está ali apenas para ser o vilão malvado. A narrativa em si não  impressiona muito, tem suas resoluções básicas para os problemas e lida eles sempre da forma mais provável. Nenhuma surpresa.


ATUAÇÕES 

É cabível admitir que as atuações são de fato impressionantes e podemos perceber que todos estão inteiramente dedicados ao projeto e o carisma é visivel no rosto de cada um. É bastante interessante a forma como eles dialogam e agem, mostra de fato que eles mergulharam naquele universo e fazem parte dele além de uma atuação qualquer em um filme qualquer,  eles demonstram saber o peso que carregam e quanto aquilo pode ser importante.
TRILHA SONORA
A trilha sonora apresenta elementos do hip Hop, no qual raramente vemos em filmes, mas nunca vimos em filmes de herói, o que torna original e fascinante, pois além de ser um filme sobre cultura de um povo na África que vive bem melhor que a população mundial de negros, ainda assim a trilha traz para a realidade dos negros todo aquele universo, e a música acaba sendo o elo entre a realidade é o surreal.
FOTOGRAFIA, EFEITOS ESPECIAIS E FIGURINO
Os efeitos especiais formam sem dúvida um casamento incrível tanto com a fotografia quanto com o figurino, que apesar de Wakanda ser um pais de primeiro mundo, ainda traz bastante das raízes africanas e de toda aquela cultura e valores. Sem dúvida Wakanda tem um cenário encantador. É digno uma ressalva ao diretor Ryan Coogler que até então nunca havia trabalhado com CGI em suas produções e deve-se dizer que ele se saiu muito bem, pois os efeitos, as naves e as batalhas lembram bastante o primeiro vingadores que foi um tremendo sucesso. O filme contem uma paleta de cores maravilhosa sabendo contrastar bem as cores em cena sem fazê-las pular da tela ou atrapalhar a experiência. Ha apenas um ponto fraco, em alguns momentos as cenas pareciam extremamente escuras o que lembrava bastante as séries da Marvel produzidas pela Netflix. Em alguns momentos pareceu incomodar, mas nada de tao grave que estrague a experiência.

VEREDITO
O filme em si e ótimo em apresentar seus personagens tanto secundários quanto os principais e mais importantes. Com críticas sociais bem elaboradas sem se tornar um filme ditamente político, ele consegue se encaixar no meio termo entre a política, a fantasia e a realidade. Ao mesmo tempo que o filme parece ser extremamente realista, ele ainda e uma fantasia muito bem feita, e damos graças aos seus colaboradores.
Um ponto bastante interessante que pode ter passado em branco em alguns espectadores, mas se vice e um cinéfilo bastante atento percebeu uma critica um tanto discreta até no próprio elenco. Em Hollywood existe uma certa "cota" para negros e asiáticos em suas produções, e vemos nesse filme uma total sátira, onde é um filme todo composto por negros nos papéis principais da trama, enquanto temos um vilão branco, e um aliado branco, alem das cenas na Coreia, onde vemos asiáticos em cena. Não se tem certeza se tal escolha foi intencional, mas ao assistir o filme ou ver os cartazes no cinema, se faz parecer que há um personagem branco ali apenas para cumprir uma cota, que e o que geralmente as produções Hollywoodianas fazem com os negros. Outra parte interessante do filme é a forma como eles trabalham a morte dos personagens algo até então nunca tratado muito a sério no universo cinematográfico da Marvel, e agora vemos claramente o quanto eles estão prontos para isso, com os grandes eventos que virão: Guerra Infinita e Vingadores 4.

Pantera Negra já esta nos cinemas de todo o Brasil, adquira já o seu ingresso e não deixe de prestigiar esse trabalho maravilhoso tanto da Marvel quanto dos produtores, e até do Kendrick Lamar que esteve integralmente envolvido na parte musical do filme, e se você já assistiu nos contem aí o que acharam.

Post Bottom Ad

Pages