CRÍTICA | Todo Clichê Do Amor - De tão clichê, original - PREMIERE LINE

NEWS

Home Top Ad

Post Top Ad

16 de abril de 2018

CRÍTICA | Todo Clichê Do Amor - De tão clichê, original


O Premiere Line compareceu à sessão antecipada do nacional Todo Clichê Do Amor, que contou com a presença das protagonistas Débora Falabella, Marjorie Estiano, além do ator, diretor e roteirista Rafael Primot, da atriz Gilda Nomacce e do produtor, Daniel Gaggini.

Trazendo às telas três núcleos distintos, cada um encabeçado por uma protagonista feminina, “Todo Clichê Do Amor” tem como base de sua construção narrativa os próprios clichês românticos cinematográficos. 




O primeiro bloco, em que Maria Luisa Mendonça interpreta uma viúva que se vê sem rumos após a morte de seu marido, mostra a tentativa da madrasta se entender com sua enteada após anos de convivência desarmônica. Enquanto o segundo contexto traz Rafael Primot como um rapaz sem muitas perspectivas de vida, que precisa realizar um assassinato para conquistar de vez a garçonete gentil e simpática, Débora Falabella. Já o terceiro, o mais cômico de todos, é incrivelmente estrelado por Marjorie Estiano, uma prostituta que deseja engravidar, mas é enrolada há tempos por seu marido.

Inicialmente independentes, os blocos possuem distintas características, desde enquadramentos, tipos de atuações e trilhas sonoras, reforçando a ideia de independência dos mesmos. Porém, com o desenrolar das situações, nota-se que se conectam as histórias, de forma mais explicita ou sugestiva, lembrando que se trata de um longa que traz todos os clichês, de todos os tipos de relações amorosas, seja familiar ou sexual.
Superando as expectativas, “Todo clichê do amor” se revela uma obra de muitas facetas, que podem ser exploradas de diferentes formas, de acordo com o desejo do espectador. 



Tendo muitas mensagens importantes, interpretações cabíveis e autenticidade, o filme, que foi totalmente produzido de forma independente, tem seu mérito e diferenciação garantidos pela sua forma de humanizar os clichês, fornecendo uma espécie de plano de fundo e explicação para cenas que estamos cansados de ver em filmes, novelas, séries e livros. 

Entretanto, para o público que almeja apenas passar o tempo e se divertir, o filme também funciona perfeitamente bem como uma comédia-romântica, como vem sendo categorizado por alguns sites, com momentos ótimos, em que o humor surge de forma natural e original, algo diferente das tradicionais comédias nacionais. 

Todo Clichê Do Amor é um filme que, de tanto explorar e exibir clichês, se torna original, valendo a pena ser assistido e apreciado nos cinemas a partir do dia 19 de abril

Crítica escrita por João Pedro Aguiar

Post Bottom Ad

Pages