Crítica | Meu Ex É Um Espião - Quando o tiro vai muito longe do alvo - PREMIERE LINE

NEWS

Post Bottom Ad

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Crítica | Meu Ex É Um Espião - Quando o tiro vai muito longe do alvo


E lá vai a Mila Kunis de novo fazer um filme de comédia, por algum motivo Hollywood nos últimos anos ama fazer comédia de espião, mas isso fica para outro texto...

Aqui vemos uma moça chamada Audrey, que está completamente desiludida após o fim de seu namoro, que terminou via ZAPZAP para ser mais cruel, e com a ajuda de sua melhor amiga (vamos falar bastante dela já já) decide tacar fogo em tudo que era do ex, porém essa atitude faz com que elas sejam jogadas para o meio de uma conspiração de polícia, espiões e outros órgãos do governo.

O filme começa extremamente empolgante, com tomadas de ação de tirar o fôlego, misturando a parte de espionagem com a parte sobre o término e flashback´s. Temos assim, nos primeiros 10 minutos de filme todos os núcleos já apresentados, focando em Mila Kunis (Audrey) e Kate McKinnon (Morgan) durante sua jornada de não confiar em ninguém e fazer o que o ex pediu para que as duas saiam ilesas.

O problema é que o filme se embanana aí.

Temos a comédia, misturada com comédia romântica, misturado com ação, misturado espionagem e uma INACREDITÁVEL violência. Sim, coisas viscerais que fariam o Megatubarão se esconder de novo no fundo do oceano de feio e explícito.

O longa tenta se sustentar no talento de suas protagonistas, mas erra a mão desastrosamente com relação as duas. O típico clichê do "nerd quietinha" com "melhor amiga maluca e corajosa/burra". Não me entendam mal, sou completamente a favor de coisas batidas, porém desde que sejam bem feitas e a culpa cai exclusivamente em cima de uma pessoa: Kate McKinnon.

A atriz faz um esforço danado para ser ruim e consegue. Parece ser uma tentativa frustrada de imitar a já overatc Melissa McCarthy, que deu muito, mas muito errado. Além disso a química não funciona em nada com Mila (apesar de já trabalharem juntas em Uma Família da Pesada) e o esforço danado de tentarem colocar a personagem como uma defensora do feminismo que mais parece uma propaganda da boca para fora do que uma bandeira. Já o elenco masculino não passam de esteriótipos do bonitão legal, bonitão misterioso e do policial estrangeiro além de estarmos EM 2018 E AINDA TER VILÕES RUSSOS EM FILMES DE ESPIONAGEM.

O filme tenta ser várias coisas que não é, com plot twists mal explicados, piadas sexuais típicas de besteirol americano que vão desde peido a pelos pubianos e mais uma vez a violência descabida que não encaixa de modo algum na trama e serve apenas para chocar. Com um final tipicamente água com açúcar, Mila Kunis mais uma vez joga contra
sua própria carreira.

Dirigido por Susanna Fogel e com estréia prevista para 23 de Agosto.

Nota: 2/5
Por Felyppe Merick

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Pages