CRÍTICA | Venom - Quem disse que pior do que tá não fica - PREMIERE LINE

NEWS

Post Bottom Ad

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

CRÍTICA | Venom - Quem disse que pior do que tá não fica


A gente sempre se enche de esperança quando anunciam um filme de um personagem que gostamos, nos programamos, esperamos, criamos teorias, compramos ingresso e depois de algumas horas o sentimento é de frustração. Sim eu sei que vocês sabem o que é isso (TÔ FALANDO COM VOCÊ ESQUADRÃO SUICIDA, É CONTIGO MESMO).

Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista investigativo, que tem um quadro próprio em uma emissora local. Um dia, ele é escalado para entrevistar Carlton Drake (Riz Ahmed), o criador da Fundação Vida, que tem investido bastante em missões espaciais de forma a encontrar possíveis usos medicinais para a humanidade. Após acessar um documento sigiloso enviado à sua namorada, a advogada Anne Weying (Michelle Williams), Brock descobre que Drake tem feito experimentos científicos em humanos. Ele resolve denunciar esta situação durante a entrevista, o que faz com que seja demitido. Seis meses depois, o ainda desempregado Brock é procurado pela dr. Dora Skirth (Jenny Slate) com uma denúncia: Drake estaria usando simbiontes alienígenas em testes com humanos, muitos deles mortos como cobaias.

Tranquilizando vocês: Não é um novo Elektra ou Mulher Gato... Mas é ruim, é brochante e é desrespeitoso com os fãs.

Em primeiro lugar o filme não sabe o que quer. Fica claro que a decisão de não ser mais para maiores afetou uma parte do desenvolvimento, que claramente em seu propósito era para ter pitadas grandiosas de terror. A falta de brutalidade por conta da classificação etária afeta diretamente a malvadeza do personagem, transformando o Venom em apenas um grande falastrão inclusive, um medroso (já chegaremos lá e sem SPOILERS).

A parte da trama de romance é forçada em níveis estratosféricos em seu final e ainda atinge diretamente o começo do filme, no qual uma informação que parecia ser vital é incluída porém todos os personagens a ignoram. A comédia no filme também é fora de hora. Com pouquíssimas exceções o filme dá uma dinâmica muito negativa entre Brock e Venom e se você achava a amizade de Batman e Superman em BvS forçada por conta da Martha, espere até ver o ato final desse aqui.

O CGI é muito sofrido e após ver esse filme eu DUVIDO falar mal do Michael Bay e Transformers de novo. É confuso em um nível que alguns colegas chegaram a reclamar de dor de cabeça. É decepcionante como todas as cenas na qual existe uma briga parece muito que estamos vendo um filme feito em 90/2000 me lembrando muito os efeitos de Spawn o Soldado do Inferno e Hulk do Eric Bana.

E Tom Hardy, aaaaaa Tom Hardy... Uma atuação que deixaria o Nicolas Cage deveras com ciumes. Seu antagonista o ator Riz Ahmed é um show de NADA. Um amontoado de frases feitas, genérico o clássico cientista louco que acredita estar fazendo o bem.

Se tem algo que se salva no filme é que apesar de ser essa bagunça inacreditável, para quem não conhece os quadrinhos ou quem apenas queira passar tempo pode ser que funcione, uma vez que, sem as ligações devidas o filme deixa de ser péssimo e se torna apenas um filme ruim e longo.

Dirigido por Ruben Fleischer (Zumbilândia), estrelado por Tom Hardy (Mad Max), Riz Ahmed (Rogue One),Michelle Williams (O Rei do Show) o filme estreia dia 04 de Outubro de 2018.

NOTA: 1.5/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Pages