Crítica | Yu-Gi-Oh! O Lado Negro das Dimensões: QUASE transcende a nostalgia - PREMIERE LINE

NEWS

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Crítica | Yu-Gi-Oh! O Lado Negro das Dimensões: QUASE transcende a nostalgia


É muito estranha a frustração que se sente assistindo Yu-Gi-Oh! O Lado Negro das Dimensões.  Inicialmente entrando com expectativas baixas, o filme surpreende com um capricho inesperado mas que ao fim te deixa com a sensação que poderia ter sido mais.
O Lado Negro das Dimensões é o mais recente filme nostálgico/ comemorativo de um anime clássico se aproveitando da nostalgia do publico original agora adulto. E é fácil pensar que esse filme é só mais uma produção mercenária pra vender mais cartas, mas logo de cara ele se revela uma continuação genuína da história de Kazuki Takahashi.

O filme se passa depois do duelo entre Yugi e o Faraó Atem, em que seu espírito pôde enfim descansar em paz. Meses depois disso acompanhamos Yugi, Tea, Joey, Tristan e Bakura se deparando com o fim do ensino médio e a incerteza do que vem pela frente. Paralelamente temos Seto Kaiba, obcecado em reencontrar o Faraó, a unica pessoa que foi capaz de derrotá-lo num duelo, e conseguir realizar sua revanche. Essa busca o leva ao encontro de Aigami, um jovem misterioso capaz de alterar a realidade tem como objetivo impedir o retorno do Faraó. E no meio desse embate está o Yugi, desamparado com a ausência de Atêm e que agora precisa tomar uma decisão quanto ao próprio futuro.

O roteiro, assinado pelo autor original da série Kazuki Takahashi, traz uma história sobre encarar o futuro e as mudanças que ele traz. Vemos cenas melancólicas da turma principal contemplando o futuro, assim como a trama de Yugi, Kaiba e Aigami lidando com o legado de Atêm, cada um a sua maneira. A história nova não só expande a mitologia da série como também conduz os personagens a evoluir organicamente e de forma condizente com a trajetória que os trouxe até aqui. Mais do que dar ao fã da franquia a chance de revisitar esses personagens, o Lado Negro das Dimensões nos proporciona a satisfação de vê-los crescer.
Por isso chega a ser decepcionante quando chega a hora dos tradicionais duelos. Numa trama tão envolvente, infelizmente os combates de carta que fizeram a fama dessa série acabam sendo o elemento menos interessante. Mesmo com os saques, invocações e ativações de cartas armadilhas sendo realizados com a mesma carga dramática do Moisés abrindo o Mar Vermelho, não da pra ignorar que os duelos são demorados, operam com a lógica de "o que é mais legal" e os monstros de computação gráfica muito são muito feios comparados com a animação 2D dos personagens. Mas é inevitável, os cards não se vendem sozinhos.

Outra aspecto em que o filme peca é em estabelecer o seu vilão principal. O Aigami traz consigo toda uma mitologia e relações com personagens novos e antigos, mas não tem tempo suficiente para se firmar. Mesmo tendo uma história interessante, ele não consegue superar a impressão de "vilão descartável de filme de anime". Mas o verdadeiro pecado desse filme é não ter a coragem de ir até o fim com a história que estava contando. A história segue num rumo em que parece que certos personagens vão sofrer um desenvolvimento significativo, mas a trama vai na contramão disso em nome do fanservice. Não anula tudo que vem antes, mas fica aquém do potencial.

Mesmo assim, é difícil imaginar um fã de Yu-Gi-Oh! não gostar deste filme. O que poderia facilmente ter sido um mero caça-niqueis acaba sendo um filme realmente caprichado, além do obvio aumento na qualidade de animação (2D pelo menos), o filme sabe o que os fãs querem (Quem gosta do Bakura vai se deleitar com uma certa sequência), a história não se contenta em te mostrar os personagens de novo, mas sim desafiá-los e fazê-los terminarem o filme diferente de onde começaram. Poderia ter feito mais, mas mesmo assim fica muito acima da média de filmes de anime.
Yu-Gi-Oh! O Lado Negro das Dimensões está disponível para aluguel ou compra nos serviços Looke, NOW, Claro Vídeo, Google Play e App Store com opções de áudio dublado (com grande parte do elenco original) e em japonês com legendas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages