CRITICANDO | Millennium - A Garota na Teia de Aranha: Protocolar - PREMIERE LINE

NEWS

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

CRITICANDO | Millennium - A Garota na Teia de Aranha: Protocolar


Sabe aqueles filmes que são só pra cumprir tabela? Que a gente vai no cinema porém dois dias depois nem lembra mais que viu o filme? Pois é...

Estocolmo, Suécia. Graças às matérias escritas por Mikael Blomkvist (Sverrir Gudnason) para a revista Millennium, Lisbeth Salander (Claire Foy) ficou conhecida como uma espécie de anti-heroína, que ataca homens que agridem mulheres. Apesar da fama repentina, ela se mantém distante da mídia em geral e levando uma vida às escondidas. Um dia, Lisbeth é contratada por Balder (Stephen Merchant) para recuperar um programa de computador chamado Firefall, que dá ao usuário acesso a um imenso arsenal bélico. Balder criou o programa para o governo dos Estados Unidos, mas agora deseja deletá-lo por considerá-lo perigoso demais. Lisbeth aceita a tarefa e consegue roubá-lo da Agência de Segurança Nacional, mas não esperava que um outro grupo, os Aranhas, também estivesse interessado nele.

Eu já falei aqui que clichês quando bem feitos não são incômodos e esse filme é cheio desses "truques" manjados. Não me entendam mal, ele é muito bem amarradinho  mas a sua amarração que tem problemas.


Como filme de ação, temos aqui um obra competente. Tem todas as ligações com o primeiro filme, reviravoltas, personagens dúbios... É um prato cheio pra quem quiser duas horas de diversão simples. Os fãs da franquia Bourne se lembrarão com toda certeza do estilo empregado aqui.


O problema aqui é quando tenta se ver além, quando se pensa direito em seus personagens e nas suas tramas. Nada vai muito pra frente e nem se prende ao passado. É um filme que por mais que tenha suas ligações tenta ser independente porém peca bastante em ser raso e extremamente casual. Me dava uma sensação de que eu estava vendo "Premonição" em alguns momentos. Aquele filme que ele tenta te mostrar todo o caminho que ele vai percorrer antes, os detalhes que SEMPRE são jogados na sua cara para te lembrar a cada 5 minutos o porque que a galera se chama Aranha. Ou qualquer criança que passa na rua e a sua personagem principal ter um flash da infância.


As atuações aqui são medianas, nada excepcional com destaque para a sempre maravilhosa e competente Claire Foy.


Com um roteiro simples, uma direção até competente e sem maiores aspirações dentro do circuito, imagino que o espectador vai reparar muito no quanto tudo está ultra explicado para ele, mas não acho que isso atrapalhará a vida dos menos atentos.


Dirigido por Fede Alvarez (O Homem nas Trevas) e no elenco Claire Foy (Primeiro Homem), SVERRIR GUDNASON (Gentlemen), Sylvia Hoeks (Blade Runner 2049) entre outros o filme estreia no dia 08 de novembro de 2018.


nota: 2.5/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages