REVIEW | Titans - As melhores partes da influência de Nolan preservadas na melhor série da DC até agora ( 1° Temporada) - PREMIERE LINE

REVIEW | Titans - As melhores partes da influência de Nolan preservadas na melhor série da DC até agora ( 1° Temporada)

Share This
Titans chegou ao fim do seu primeiro ano, após um anúncio levemente conturbado, rodeado de dúvidas e críticas, mas com uma aposta enorme da Warner Bros, sendo a primeira série original do serviço de streaming que a DC lançou e trazendo um custo alto para uma aposta que havia ganhado apenas ceticismo dos fãs, quando suas primeiras imagens foram divulgadas.

Ainda bem que não se julga um livro pela capa, né?


A série que conta com nomes como Geoff Johns e Greg Berlanti na produção, mostrou a que veio logo em seu primeiro episódio. Conhecemos um Dick Grayson violento, que questiona os limites morais do que se pode ou não fazer, e que não liga pras consequências na maioria das vezes. Uma personificação do efeito que a violência presenciada por ele, enquanto lutava ao lado do Batman teve em sua bússola moral. Um órfão que se vê apenas usado por quem achava que cuidaria dele, se vendo obrigado a assumir as responsabilidades que Bruce não assumiu.

Dick se surpreende, quando uma garota que aparece na delegacia onde trabalha diz que já o viu em seus sonhos. Rachel, ou Ravena, é uma garota que acaba de perder sua mãe para algo que não entende e seus poderes estão se manifestando cada vez mais incontroláveis.

E aí começa tudo.
Acredito que pra mim, o mais incrível da temporada foi a conexão que foi surgindo aos poucos entre os heróis. Robin e Estelar, apesar de diferentes de si em vários aspectos, vão cultivando uma química incrível. Mesma coisa com a Ravena e o Mutano, só que a combinação dos dois é instantânea. Os quatro juntos são irreverentes e divertidos, mas também conseguem cuidar da retaguarda um do outro quando é necessário.

Apesar de contar com momentos que você consegue ver defeitos, os efeitos que Titans apresenta são satisfatórios e convincentes, a trilha sonora é boa e a fotografia da série é impecável pra mim, com o fato das várias paisagens apresentadas quando Dick enfrenta a viagem pelo país com Rachel.

O roteiro tem alguns momentos mais calmos, mas é uma temporada completamente de apresentação dos personagens e de qual é a ameaça que enfrentam; o que em momento algum torna a trama chata e cansativa. Todos os episódios, no fim, deixam um gostinho de quero mais e o episódio final da temporada ainda mais, deixando diversas perguntas sem resposta mas que finalizam a temporada com um toque de que não vamos perder por esperar o próximo ano.

Algumas ressalvas em momentos que os efeitos falham, raros mas existem. E também na questão de algumas das caracterizações. Mas nada que atrapalhe o resultado final.

Em geral, a série é um pontapé incrível para a DC mostrar que está no mercado de séries também e que está pra mostrar que é a melhor. O serviço de streaming estreou com louvores trazendo uma temporada adulta, concisa e que traz uma introdução muito boa pra um universo que até agora só havia sido explorado na animação, e agora ganha vida.

Titans chega a Netflix no próximo dia 11 de janeiro.

Pages